terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Serrana – Parte II

(parte I)

Revólver Smith & Wesson de prataEm um bolicho, o sargento Rubião, com seu vasto bigode negro como carvão, uniforme cáqui e cabelo à escovinha, sentou-se a mesa com João Pardal.

“Boa tarde.” Disse o sargento com a voz mais séria possível. João levantou os olhos por baixo do chapéu e meneou a cabeça.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Serrana – parte I

Serra-Catarinense

Existem histórias perdidas no coração de Santa Catarina que, se contadas, pessoas achariam que eram do começo do século XX, ou de outra parte do Brasil. Histórias como estas, são comuns até hoje, nesse pequeno e mal cuidado estado do Sul, mesmo que a que contarei aconteceu há mais de trinta anos.

sábado, 24 de dezembro de 2011

Retiro

Retiro de fim de ano proveitoso. O nada para fazer resulta no tempo para fazer algo. Ainda mais com um computador quase sem internet. Três livros excelentes lidos, em pouco mais de uma semana, são o saldo positivo, algumas caixas de cerveja são o saldo colateral, e nada como saldo negativo. Esse é o fim de ano que procuro.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Sequel

sequel

Sabe quando um filme faz muito sucesso e os estúdios de cinema ficam loucos por uma continuação, mesmo que ela não seja tão boa quanto o primeiro filme? Tipo Piratas do Caribe ou o segundo Indiana Jones? Pois é. A continuação nunca é boa como o original. Algumas exceções, claro, como Rocky. Mas, como regra geral, a continuação é uma boa oportunidade de ficar quieto.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Da Lata

Maconha da lata

Hoje, em meio a cervejas e conversas nostálgicas, um amigo gaúcho falou:

“Cara, tenho várias decepções na minha vida... No futebol, por exemplo, é que nunca vi o Zico jogar ao vivo, mas quando o assunto é festejar... Nunca me perdoo por não ter fumado da lata...”

Sorri e falei, com a cara de gato que acabou de comer o periquito da família:

“É, valia a pena...”